quarta-feira, 17 julho, 2024
Home2023Portal do PT repercute audiência pública sobre Trabalho Escravo na Alesp

Portal do PT repercute audiência pública sobre Trabalho Escravo na Alesp

Portal do PT

As denúncias sobre exploração do trabalho em condições análogas à escravidão tiveram um crescimento no Estado de São Paulo nos últimos meses. Nesta quinta-feira, 13/4, a deputada Beth Sahão promoveu audiência pública na Assembleia Legislativa para debater o assunto com representantes do Ministério do Trabalho, de segmentos empresariais com maior incidência de casos, lideranças sindicais e acadêmicos.

Beth Sahão disse que os casos recentes ocorridos em São Paulo, estado onde a fiscalização e o acompanhamento são mais bem estruturados do que em outras partes do país, demonstram a grave dimensão do problema. “É um horror e uma indignidade para o ser humano.”

Ela lembrou que na cidade de Pirangi, há poucas semanas, foram libertados 32 trabalhadores da produção de cana-de-açúcar. “Embora seja um setor que evoluiu, ainda existem fornecedores de cana que tratam seus trabalhadores e trabalhadoras de forma degradante, com jornadas de trabalho desgastantes e salários miseráveis. Uma exploração que, em pleno século XXI, não deveria mais existir”.

 Responsabilidade de toda a sociedade

Marcus Alves de Mello, superintendente regional do Trabalho e Emprego do Ministério do Trabalho, afirmou que este ano iniciou com notícias desumanas e números alarmantes. Mais de mil trabalhadores foram resgatados pelo grupo de combate ao trabalho escravo. Pior número dos últimos 15 anos.

Ao mesmo tempo, o país tem o menor número de auditores fiscais do trabalho em exercício no, desde a criação do Ministério do Trabalho e Emprego. Das 3.700 vagas, apenas 1800 estão na ativa atualmente, informa Mello.

Ele acredita que, diante dessa deficiência de quadros, os números oficiais de trabalho análogo à escravidão não refletem a realidade. “Devemos ter muito mais pessoas submetidas ao trabalho escravo contemporâneo, porque temos metade dos auditores fiscais em exercício. Por isso, vemos apenas a ponta do iceberg,” diz o superintendente, indicando a urgente necessidade de concurso público.

O combate ao trabalho escravo, na opinião de Mello, não deve ser restrito apenas ao Ministério do Trabalho. Só à fiscalização. “Deve ser um compromisso de toda a sociedade civil, todos os poderes, todos os entes federativos, todos os atores sociais e representantes dos sindicatos. Para isso, devem existir mecanismos legais de punição em todas as esferas”, adverte

O cadastro de empregadores que cometem irregularidades, a chamada lista suja, incluiu 132 novos empregadores, pessoas físicas e jurídicas, e excluiu apenas 17 nomes, no último ano.

Não bastam as leis

A exploração do trabalho escravo contemporâneo se difunde em várias áreas, como a dos serviços doméstico, indústria têxtil, setor agropecuário e outras modalidades econômicas urbanas e rurais. Beth Sahão que a Lei estadual 14.946/2013, que pune empresas paulistas que utilizarem trabalho análogo à escravidão em seu processo produtivo. Essa lei foi aprovada pela Assembleia Legislativa e sancionada pelo ex-governador Geraldo Alckmin, em janeiro de 2013.

Posteriormente, em maio de 2013, foi feito um decreto para a regulamentação da lei, disciplinando o processo de cassação da inscrição estadual do ICMD e conferindo a decisão a um colegiado da Justiça, na esfera criminal ou trabalhista.

Segundo a deputada Beth Sahão, a comissão estadual de erradicação do trabalho escravo reuniu-se pela última vez em 2018. Por isso, acredita a parlamentar que é necessário exercer pressão para que os dispositivos legais existentes passem a funcionar efetivamente.

Beth Sahão destacou, também, que o ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Sílvio Almeida, está criando um protocolo para essa área, que não é dirigido somente para as autoridades públicas, mas para fazer um diálogo aberto com as empresas. “É preciso mudar atitudes. Fazê-las compreender a necessidade de mudanças das práticas reincidentes de exploração do trabalho degradantes. É preciso colocar regras debatidas com diferentes setores, especialmente, aqueles em que a denúncias são mais recorrentes”, completou a deputada.

RELATED ARTICLES

Mais Vistos