sexta-feira, 1 março, 2024
Home2022Na mídia: Imprensa repercute a redução da pena dos condenados por serem...

Na mídia: Imprensa repercute a redução da pena dos condenados por serem mandantes da Chacina de Unaí

A mídia tem destacado a decisão da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que decidiu, por unanimidade, reduzir as penas de três condenados pelo episódio que ficou conhecido como a Chacina de Unaí. Veículos de grande alcance, como G1Band MinasEstado de Minas,Correio Braziliensederam espaço ao entendimento do relator do recurso dos réus, ministro Riberto Dantas.

A Turma julgou recursos dos réus e do Ministério Público sobre o crime, ocorrido em 2004, em que os Auditores-Fiscais do Trabalho João Batista Soares Lage, Nelson José da Silva e Erastótenes de Almeida Gonçalves, além motorista Ailton Pereira de Oliveira foram assassinados com tiros a queima-roupa, quando investigavam o trabalho escravo em fazendas da região.

O SINAIT informou a categoria sobre o entendimento da Corte no mesmo dia em que foi tomada a decisão, que reduziu, pela segunda vez, a pena dos envolvidos no assassinato. Confira.

Saiba mais

O ministro Ribeiro Dantas, negou a anulação dos júris que condenaram os réus, mas reduziu as penas  por considerar inadequada a incidência da qualificadora de homicídio mediante pagamento ou promessa de recompensa (artigo 121, parágrafo 2º, inciso I, do Código Penal).

Com a retirada da qualificadora, o colegiado fixou a pena do proprietário rural Norberto Mânica – acusado de ser o mandante do crime – em 56 anos e três meses de reclusão. Já para os réus José Alberto de Castro e Hugo Alves Pimenta – denunciados por contratarem os pistoleiros que executaram os disparos contra os servidores –, o colegiado fixou a pena em 41 anos e três meses e em 27 anos de reclusão, respectivamente.

O ministro Ribeiro Dantas explicou que, segundo a jurisprudência mais recente do STJ, a qualificadora de paga se aplica apenas aos executores diretos do homicídio, porque são eles que recebem, efetivamente, o pagamento ou a promessa de recompensa para executar o crime. “Como consequência, o mandante do delito não incorre na referida qualificadora, já que sua contribuição para o cometimento do homicídio em concurso de pessoas, na forma de autoria mediata, é a própria contratação e pagamento do assassinato”, completou o ministro.

Apesar dessa posição, Ribeiro Dantas reconheceu a existência de julgados do STJ em sentido contrário, porém o magistrado se baseou em entendimento da doutrina no sentido de que a qualificadora é voltada para aquele que obtém a recompensa pela execução do crime, ou seja, não poderia ser aplicada àquele que a oferece, pois sua motivação é diferente da prevista na qualificadora.

Veja mais sobre a decisão no site do STJ.

Relembre

Em maio deste ano, outro mandante do crime, o fazendeiro Antério Mânica, foi condenado a 64 anos de prisão pelo crime.

Os executores foram condenados em 2013. Três deles foram presos preventivamente. Rogério Alan pegou 94 anos de prisão, Erinaldo Silva, 76, e William Gomes, 56 anos.

A redução das penas também foi notícia em:

https://www.conjur.com.br/2022-set-07/stj-afasta-qualificadora-diminui-penas-chacina-unai

https://radaramazonico.com.br/stj-reduz-penas-de-tres-condenados-por-chacina-de-unai/

https://www.bol.uol.com.br/noticias/2022/09/07/stj-reduz-penas-de-tres-condenados-por-chacina-de-unai.htm

https://direitoreal.com.br/noticias/quinta-turma-ve-incidencia-inadequada-de-qualificadora-e-redimensiona-pena-de-reus-da-chacina-de-unai

https://economiaempauta.com/quinta-turma-do-stj-reduz-penas-de-tres-condenados-por-chacina-de-unai/

https://portalmatogrosso.com.br/quinta-turma-revoga-liminar-que-permitia-candidatura-do-senador-izalci-lucas-ao-governo-do-df/

https://racismoambiental.net.br/2022/06/02/chacina-de-unai-tribunal-do-juri-federal-condena-novamente-anterio-manica-desta-vez-a-64-anos-de-prisao/

RELATED ARTICLES

Mais Vistos