domingo, 23 junho, 2024
Home2019Centrais sindicais criticam possível fim do Ministério do Trabalho

Centrais sindicais criticam possível fim do Ministério do Trabalho

(Por Andre Montanher)

As maiores centrais brasileiras se posicionaram com veemência, contra a possível extinção do Ministério do Trabalho, pelo governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). Alvo de reportagens no início da semana pela mídia nacional, a intenção foi confirmada pelo presidente eleito nesta quarta-feira (7).

Em nota oficial, a Força Sindical havia considerado a importância do ministério, considerando a medida um “atentado aos direitos”. Já CUT afirmou que a medida “levará a uma nova ofensiva de retirada de direitos e de precarização das relações de trabalho”. Para a CTB (Central dos Trabalhadores Brasileiros), a decisão vai ampliar a precarização das relações de emprego. A UGT (União Geral dos Trabalhadores), considerou uma má notícia para os trabalhadores.

A Delegacia Sindical do Sinait-SP (Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho de São Paulo) se une a outras entidades representativas dos auditores fiscais brasileiros, e às centrais sindicais, contra a hipótese do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) extinguir o Ministério do Trabalho. Para a entidade, a perda de status do órgão pode provocar profundas distorções no papel da Inspeção do Trabalho, fazendo explodir as irregularidades.

“O trabalho ocupa um papel central na vida do ser humano e na estrutura da sociedade. A extinção do Ministério do Trabalho é a negação da relevância do trabalho constitucionalmente assegurado. Importante lembrarmos que mesmo os países mais liberais possuem pastas equivalentes ao Ministério do Trabalho com status ministerial”, apontou o presidente do Sinait-SP, Rodrigo Iquegami.

FUSÃO

Na segunda-feira (5), a equipe de Bolsonaro havia recebido uma proposta, formulada por dez associações industriais, de agregar o Ministério do Trabalho ao Ministério da Indústria. O contexto óbvio era o de reduzir o alcance da Inspeção do Trabalho, o que para a parte da classe empresarial representa um obstáculo à produção.

Diante da reação das centrais sindicais, o ministro extraordinário da transição e futuro ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, rebateu as críticas de forma reativa. “Se dependesse dos sindicatos, Bolsonaro não teria sido eleito. O governo vai fazer o que é melhor para o Brasil”, afirmou.

Auxiliares da equipe do presidente eleito teriam afirmado que o Ministério do Trabalho perdeu relevância, e que “hoje tem como papel principal divulgar o resultado do mercado formal (Caged)”. Além disso, a pasta serviria como cabide de emprego e foco de corrupção. Declarações de temperatura política elevada, que dão continuidade ao clima de campanha eleitoral, e parecem buscar fragilizar as ferramentas de defesa dos direitos do trabalhador no país.

“O órgão realiza a fiscalização das condições empregatícias, de saúde e segurança do trabalhador. Combate o trabalho escravo e o trabalho infantil, bem como verifica a inserção de deficientes e aprendizes no mercado. O debate precisa elevar o nível, pois reduzir o status do órgão pode trazer danos insanáveis”, complementou Iquegami.

MINISTÉRIO

Em nota, o próprio Ministério do Trabalho desqualificou as críticas da equipe do novo governo. “O Ministério do Trabalho, criado com o espírito revolucionário de harmonizar as relações entre Capital e Trabalho em favor do progresso do Brasil, se mantém desde sempre como a casa materna dos maiores anseios da classe trabalhadora e do empresariado moderno, que, unidos, buscam o melhor para todos os brasileiros”, diz o texto.

E acrescenta: “O Ministério do Trabalho, que recebeu profundas melhorias nos últimos meses, é seguramente capaz de coordenar as forças produtivas no melhor caminho a ser trilhado pela Nação Brasileira, na efetivação do comando constitucional de buscar o pleno emprego e a melhoria da qualidade de vida dos brasileiros”.

RELATED ARTICLES

Mais Vistos